Plebiscito Popular por uma Constituinte Soberana do Sistema Político disponibiliza materiais de divulgação

A fim de divulgar as ações e propósitos  do Plebiscito pela Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político, as entidades e movimentos sociais que se congregam esse movimento estão tornando acessíveis um material de divulgação e formação em torno deste tema, através do site do Plebiscito.

Continuar lendoPlebiscito Popular por uma Constituinte Soberana do Sistema Político disponibiliza materiais de divulgação

Plesbiscito Popular e Lei de Mídia Democrática são divulgados na Jornada Nacional de Educadoras Feministas

Com o objetivo de fortalecer a campanha Para Expressar a Liberdade e o Plebiscito por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político, o SOS Corpo - Instituto Feminista para a Democracia, divulgou duas ações em curso no movimento de mulheres, durante a Jornada Nacional de Educadoras Feministas, encerrada hoje, 23, no Recife, com a presença de 50 mulheres de mais de 30 organizações feministas do país.
 
Luisabeth Amorim, do Grupo Cactus, e Paula de Andrade, do SOS Corpo, apresentaram a ação "Deixa eu Dizer o Que Penso Dessa Vida", uma iniciativa criada para aprofundar comunicação e feminismo entre mulheres de organizações situadas em bairros e municípios da Região Metropolitana do Recife (RMR).
 
Segundo Paula, a ação surgiu como uma ideia de várias mulheres, ao final de uma oficina realizada ano passado, pelo SOS Corpo, quando um momento de reflexão foi aberto com a canção que contém esse verso.
 
Ela relembra que "ouvir a canção, ao final da oficina, unificou o sentimento de todas as participantes, como se um grito coletivo saísse das gargantas, depois de refletirmos, entre outras coisas, que a timidez ou o recato das mulheres em espaços públicos não tem nada a ver com uma característica feminina generalizada, como querem nos fazer pensar, ainda hoje". Essa timidez seria, segundo conta da reflexão coletiva feita pelas mulheres, apenas um véu usado para encobrir - como se fosse um traço de individual ou de personalidade - aquilo que todas nós, mulheres, vivemos, e que se reforça sobretudo para as negras. "Sofremos todas, de forma aberta ou subliminar, uma intimidação. Somos intimidadas pela opressão do sistema patriarcal, que juntamente com o racismo e o capitalismo nos faz pensar, desde a infância, ou que 'não sabemos falar' ou que expor nossas críticas 'não é de bom tom'".
 
Assim, em poucos dias, Cris Cavalcanti, da troça lésbico feminista Ou Vai ou Racha, que tinha companheiras nessa oficina, criou uma imagem para uma camiseta, que foi produzida pelo Grupo Cactus, e que está se espalhando pouco a pouco entre grupos de mulheres que estavam na oficina e que desejaram dar expressão pública às reflexões sobre direito à comunicação numa perspectiva crítica feminista. Luisabeth Amorim realça, ainda, que ao se pensar na imagem, "também resolvemos que a estampa serviria como meio de divulgar a campanha por uma Lei de Mídia Democrática para além de nossas organizações, incluindo-a como um debate vital entre as militantes do Fórum de Mulheres de Pernambuco". Para ela, a ação ajudará a trazer mais companheiras para as ações de coleta de assinaturas do projeto da Lei de Mídia Democrática, seja a partir próprio movimento de mulheres, seja pela atuação delas em outros movimentos sociais.
 
Na sequência, Joana D'Arc, educadora do coletivo Cunhã Feminista (PB), divulgou o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político. A educadora frisou que o Plebiscito é uma das ações estratégicas da Articulação de Mulheres Brasileiras na luta pela democratização do poder, onde também está inserido o debate sobre a democratização da comunicação, no Brasil.
 
De acordo com Joana, essa ação consolida o compromisso de diversas organizações feministas e de outros movimentos sociais com o processo de educação popular que debaterá os problemas do atual sistema político, com enfoque na questão da subrepresentação das mulheres, dos povos negro e indígena, e da população LGBT. Além disso, pretende estimular a elaboração e implementação de condições estruturais e regras que possibilitem, cotidianamente, a paridade nas relações de poder, na perpectiva da construção de um sistema mais democrático.
 
O plebiscito popular acontecerá este ano em todo país na primeira semana de setembro. No momento, integrantes de vários movimentos sociais estão engajadas/os na formação de comitês locais - municípios e estados; escolas; sindicatos; locais de trabalho etc. -, para dinamização de reflexões em todos os lugares e, posteriormente, a instalação do processo de votação com ampla participação popular no país.
 
Jornada
 
A Jornada Nacional de Educadoras Feministas aconteceu de 20 a 23 de fevereiro em sua terceira etapa. De acordo com Paula de Andrade, a intenção do Instituto é seguir divulgando o projeto de Lei da Mídia Democrática e o Plesbiscito Popular ao longo do ano, nas atividades promovidas em Pernambuco e em outros estados do país. "Pretendemos reforçar a coleta de assinaturas para as duas iniciativas entre as participantes de nossas atividades de formação e articulação, inclusive distribuindo folhas de coleta para que elas mesmas possam se somar às iniciativas em suas cidades, se assim desejarem.
 
Confira os materiais das duas campanhas (músicas, vídeos e notícias) que estão sendo produzidos em todo o Brasil nos sites:
 

 

Com o objetivo de fortalecer a campanha Para Expressar a Liberdade e o Plebiscito por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político, o SOS Corpo - Instituto Feminista para a Democracia, divulgou duas ações em curso no movimento de mulheres, durante a Jornada Nacional de Educadoras Feministas, no Recife, com a presença de 50 mulheres de mais de 30 organizações feministas do país. 

Continuar lendoPlesbiscito Popular e Lei de Mídia Democrática são divulgados na Jornada Nacional de Educadoras Feministas

Stedile critica aliança de Dilma com Kátia Abreu e defende reforma política

Um dos principais líderes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), o economista João Pedro Stedile fez críticas à aliança do governo Dilma Rousseff com a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), porta-voz dos ruralistas, e defendeu a reforma política para mudar as regras de financiamento de campanhas, em discurso no segundo dia do 6º Congresso Nacional do MST, em Brasília.
"Não adianta ficar falando mal da Dilma. A Dilma pessoalmente é uma coisa, mas outra coisa é o governo Dilma. É um governo de composição e lá dentro tem os banqueiros, tem os empresários, tem a classe média, tem até a Kátia Abreu no governo da Dilma", afirmou Stedile na manhã de hoje.
E completou: "Mas tem também companheiros de esquerda e companheiros que defendem a reforma agrária que temos que valorizar, não podemos botar tudo no mesmo balaio. Mas é um governo de composição de forças antagônicas e num governo assim é difícil avançar".
Stedile deu esse exemplo para defender que o MST se engaje na luta por uma reforma política e criticou o financiamento de campanhas pelo agronegócio. "Sem a democratização do Estado brasileiro, a reforma agrária continua bloqueada. Por isso temos que nos engajar na reforma política, na luta por uma assembleia constituinte para varrer esses picaretas que estão no Congresso [Nacional]. E por isso tem que mudar as regras do financiamento, que é a síntese da reforma política", discursou Stedile.
Outros líderes do movimento que discursaram também assumiram a defesa da reforma política como uma bandeira do MST para os próximos anos. Stedile afirmou que a "reforma agrária clássica já passou" e defendeu um novo modelo, que "não é apenas de distribuir terra", e que integre a produção agroecológica aos assentamentos do MST e o combate aos agrotóxicos.
Defendeu também que o movimento se una aos trabalhadores urbanos na luta pela reforma agrária. "Os camponeses só pesam 20% da população. Só vamos ter reforma agrária se a classe trabalhadora urbana lutar com a gente", disse.
Por último, incentivou a retomada das invasões de terras como principal força do MST. "Não pense que a burguesia vai se assustar com nosso congresso, ninguém bota na imprensa. A burguesia vai voltar a se assustar com nós quando voltarmos a fazer ocupação com mil famílias, com 2.000 famílias. A burguesia vai se assustar com nós quando nós ocuparmos a Monsanto, quando ocuparmos usina. Aí vão nos respeitar", afirmou Stedile.

 

No VI Congresso Nacional do MST, Stédile convoca o movimento para lutar pela Reforma Política

Continuar lendoStedile critica aliança de Dilma com Kátia Abreu e defende reforma política