Renda básica deve ser política permanente, reivindicam movimentos sociais

O valor do auxílio emergencial mantido em R$ 600 e o fracionamento descartado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não deixou de preocupar os movimentos sociais que exigem uma renda básica permanente. Isso porque as consequências econômicas da pandemia para a população devem ir além deste ano.

Para as organizações que compõem a campanha “Renda Básica que Queremos”, ela não pode ser pensada como substituição de políticas públicas, mas como mais um direito a ser garantido à população.

Confira na #RádioPlataforma desta semana:

Deixe uma resposta

Fechar Menu