16° Parada do Orgulho LGBT busca equilíbrio entre festa e política

O ex-vereador e arquiteto Nabil Bonduki também se mostrou favorável à mescla entre festa e política. “Acho que elas devem andar juntas. Esse é o grande carnaval de São Paulo, mas é possível unir os dois sentidos, sem prejudicar o movimento”.

O estilista Alexandre Herchcovitch concorda: “É importante qualquer tipo de manifestação que busque igualar os direitos dos cidadãos, independente de ser uma festa ou um ato político, o que fica é a mensagem de respeito”.

O discurso que aliava festa e política era o mais adotado entre os participantes e ativistas, mas vozes discordantes surgiram. Tatiana Bergontini, integrante da Ação Pró PLC 122 Abrangente, distribuía panfletos e adesivos na avenida Paulista a favor do Projeto de Lei 122, que criminaliza a homofobia, e apontava o que para ela é o “grande desencontro da Parada”. “Eu acho que o clima de festa atrapalha, pois o evento se torna uma máquina de fazer dinheiro e entretenimento e deixamos de lado a discussão que importa, os nossos direitos”.

 

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe uma resposta

Fechar Menu