Moção de Repúdio do Povo Guarani e Kaiowá aos Jogos Mundiais Indígenas de 2015

 

“Anunciamos que não participaremos deste palco forjado e mentiroso e afirmamos que enquanto esta for a postura do Brasil o único jogo que jogaremos será o de recuperar os nossos territórios e partir para nossas retomadas mesmo que isto custe todas as nossas vidas, já que o país parece assistir calado, da arquibancada, o extermínio dos Guarani e Kaiowá.”

Essa decisão do povo Kaiowá Guarani foi anunciada na primeira quinzena de outubro, quando a primavera de luta e esperança começa a pintar de verde o chão depositando sobre ele, como gesto de carinho, inúmeras flores e odores que embalam nossas vidas.

Este posicionamento crítico se soma a dezenas de outros povos que tem feito suas reflexões sobre o significado dos Jogos Mundiais Indígenas, no atual contexto brasileiro.

Após agradecerem a todos os povos que se solidarizaram em sua luta contra o genocídio, com especial distinção para as posturas lúcidas e corajosas do Povo Krahô e Apinajé, os Kaiowá Guarani se pronunciaram sobre os Jogos Mundiais Indígenas:

“Enquanto nós, Guarani e Kaiowá, enfrentamos um verdadeiro genocídio, marcado por ataques paramilitares, assassinatos, espancamentos, estupros e perseguição de nossas lideranças, o governo brasileiro debocha de tudo isso buscando criar folclore para distorcer a realidade e camuflar a real situação dos povos originários”.

Na sua manifestação fazem a grave denúncia sobre o altíssimo número de mortes de seu povo: “Enquanto o Estado e o Governo articulam com o agronegócio, o fim de nosso povo e de nossos direitos constitucionais, fortalecendo uma situação onde a cada dois dias morre uma pessoa Guarani e Kaiowá, a imagem dos povos indígenas é utilizada e vendida para distorcer os fatos e mentir no exterior, ocultando a verdadeira realidade e o sofrimento dos povos indígenas”.

Fazem menção à ministra Kátia Abreu que tem não apenas demonstrado sua simpatia para com os jogos, mas tem articulado dentro do governo federal, a destinação de recursos públicos para o evento:

Para celebrar esta grande farsa, quem fará a abertura oficial dos jogos será a ministra Katia Abreu, rainha da motosserra,símbolo de ataque aos povos indígenas e ao meio ambiente.

Isto é um deboche e um insulto à vida. Este é o atestado maior de que para além da falta de vontade política do governo em resolver a situação de nossos povos e de nossas terras, na verdade, existe uma determinação política deste governo para a morte de nossos povos e a distribuição de nossos territórios para os invasores”(Conselho da Aty Guasu, Lideranças Kaiowá Guarani, Dourados 07/10/2015).

Tendas valiosas

No dia 4 de outubro, faltando apenas nove dias para o início dos Jogos Mundiais Indígenas, teve bastante repercussão na mídia a divulgação dos extratos aditivos de contratos relativos à montagem de estruturas (pré-moldadas), com acréscimos de alguns milhões. O processo licitatório custa ao todo R$ 30 milhões (Conexão Tocantins, 14/10/15).

O que se passa? Como justificar que a Prefeitura anuncie a empresa vencedora, antes do término do processo licitatório?Os povos indígenas e todos os brasileiros exigem transparência com o uso de recursos públicos para que se evitem desvios e corrupção.


Deixe uma resposta

Fechar Menu