O grileiro vencerá?

Como já é do conhecimento público, em 1999 escrevi uma matéria no meu Jornal Pessoal denunciando a grilagem de terras praticada pelo empresário Cecílio do Rego Almeida, dono da Construtora C. R. Almeida, uma das maiores empreiteiras do país, com sede em Curitiba, no Paraná.

Continuar lendo O grileiro vencerá?

Conversas com Mr. Dops – Entrevista com um dos últimos delegados vivos do antigo DOPS

Um dos poucos delegados do DOPS ainda vivos, entre os que atuaram nos anos mais duros da ditadura fala de resistência adianta temas e desafios para futura Comissão da Verdade

Aos 80 anos, José Paulo Bonchristiano conserva o porte imponente dos tempos em que era o "doutor Paulo", delegado do Departamento de Ordem Política e Social de São Paulo, "o melhor departamento de polícia da América Latina", não se cansa de repetir."O DOPS era um órgão de inteligência policial, fazíamos o levantamento de todo e qualquer cidadão que tivesse alguma coisa contra o governo, chegamos a ter fichas de 200 mil pessoas durante a revolução", diz, referindo-se ao golpe militar de 1964, que deu origem aos 20 anos de ditadura no Brasil.

Embora esteja aposentado há 27 anos, não há nada de senil em sua atitude ou aparência. Os olhos astutos de policial ainda dispensam os óculos para perscrutar o rosto do interlocutor, endurecendo quando o delegado acha que é hora de encerrar o assunto.

Bonchristiano gosta de dar entrevistas, mas não de responder a perguntas que lancem luz sobre os crimes cometidos pelo aparelho policial-militar da ditadura do qual participou entre 1964 e 1983: prisões ilegais, sequestros, torturas, lesões corporais, estupros e homicídios que, segundo estimativas da Procuradoria da República, vitimaram cerca de 30 mil cidadãos. Destes, 376 foram mortos, incluindo mais de 200 que continuam até hoje desaparecidos.

Continuar lendo Conversas com Mr. Dops – Entrevista com um dos últimos delegados vivos do antigo DOPS

Lei Maria da Penha vale mesmo sem queixa

O oferecimento de denúncia na Justiça contra quem agride no ambiente familiar não dependerá mais da vontade da vítima, segundo definiu nesta quinta-feira (9) o Supremo Tribunal Federal (STF). Por 10 votos a 1, os ministros decidiram que o Ministério Público pode entrar com a ação penal, em casos de violência doméstica, mesmo que a mulher decida voltar atrás na acusação contra seu companheiro. Segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), a violência doméstica cometida pelo companheiro ocorre em pelo menos 90% dos casos.

Nesta quinta-feira, o STF julgou uma ação de inconstitucionalidade de autoria do Ministério Público. A instituição pedia que, nos trechos em que a Lei Maria da Penha condiciona a denúncia por agressões leves à vontade da vítima, o STF desse a interpretação para que o Ministério Público passasse a ter a prerrogativa de atuar. A ideia é que o Estado proteja a vítima quando ela se mostra incapaz de fazê-lo.

Continuar lendo Lei Maria da Penha vale mesmo sem queixa

TV Senado entrevista Moroni

Matéria da TV Senado sobre a Reforma Política em 2012 no Congresso Nacional. Moroni é entrevistado para falar sobre a proposta de iniciativa popular. {youtube}9dWsACByexM{/youtube}

Continuar lendo TV Senado entrevista Moroni

A sempre adiada reforma política

Semana passada o Congresso Nacional retomou os trabalhos da atual legislatura. Os presidentes da Câmara e do Senado, assim como os líderes partidários, anunciaram as principais matérias na agenda, todas…

Continuar lendo A sempre adiada reforma política

Queremos uma nova política – Entrevista com José Antônio Moroni

Neste início de ano, o tema da Reforma Política volta ao debate na sociedade e no Congresso Nacional. Conversamos com José Antônio Moroni, membro do colegiado de gestão do INESC e  da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político.  

Continuar lendo Queremos uma nova política – Entrevista com José Antônio Moroni