Tam.Texto

Bancada BBB articula para vetar cota de mulheres na Câmara


Add this to your website

Apesar de estar incluída na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que trata da reforma política, a instituição de uma cota de gênero para que o Congresso Nacional e os parlamentos estaduais e municipais passem a contar com, pelo menos, 30% de mulheres na sua composição não é bem vista pelos deputados federais. Principalmente pelos integrantes da bancada da Bala, Evangélica e do Agronegócio, também denominada de ‘bancada BBB” (bala, boi e bíblia).

 

Conforme parlamentares ouvidos por Congresso em Foco, a ala mais conservadora da Casa articula nos bastidores uma forma de se tentar vetar a cota de mulheres no parlamento. O raciocínio deles é simples: a reserva de vagas para mulheres, na visão dos deputados mais conservadores, atrapalha o jogo político e cria uma disputa “desigual” entre homens e mulheres no Parlamento. “Com cota, uma mulher vai chegar à Câmara com um número bem menor de votos em relação aos homens”, analisou um integrante da bancada BBB.

A expectativa é que o tema cota para mulheres seja discutido no início de junho . No entanto, conforme integrantes da bancada BBB, os parlamentares ainda tentam viabilizar uma forma de se retirar a parte relacionada à cota de mulheres do texto da reforma política para se evitar um eventual desgaste de que o tema seja rejeitado em Plenário. “A ideia, na prática, é se vetar a cota das mulheres. Poucos são os deputados que estão interessados nisso”, admitiu um parlamentar integrante da base do governo ao Congresso em Foco.

Na semana passada, a bancada feminina fez um ato na Câmara dos Deputados pedindo a cota para mulheres no Parlamento. Segundo o Fórum Nacional de Organismos Governamentais de Políticas para as Mulheres, as mulheres representam 52% do eleitorado, mas ocupam 10% das vagas na Câmara, 16% no Senado, 11% nas assembleias legislativas e 13% nas câmaras de vereadores.

“Não é possível continuar convivendo com um sistema político que não reflita o protagonismo das mulheres na sociedade brasileira. Tem uma série de impedimentos para que as mulheres cheguem ao Poder Legislativo. Defendemos as cotas para as vagas das cadeiras nos parlamentos. O governo apoia a reforma política inclusiva, e as mulheres são prioridade nessa inclusão”, disse, na semana passada, a ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicuc