Tam.Texto

CNJ investiga Moro por possível atuação política ao aceitar ministério de Bolsonaro


Add this to your website

O corregedor nacional de Justiça, Humberto Martins, iniciou um procedimento investigatório sobre possível atuação política do juiz federal Sérgio Moro, até recentemente responsável pela Operação Lava Jato em Curitiba (PR), em sua indicação para ser ministro da Justiça a partir de 2019, no governo Jar Bolsonaro (PSL). Moro já é investigado pelos mesmos motivos (suposta atuação política) em outro caso, relativo à liberação de áudios de telefonema entre os ex-presidentes petistas Dilma Rousseff e Lula, mas esse processo tem sido recorrentemente adiado.

Em lance que, de um lado, foi visto como um acerto de Bolsonaro, e de outro deu munição para acusações petistas, Moro aceitou o convite do presidente eleito na semana passado. Ele vai comandar o chamado "superministério" que unirá Justiça e Segurança Pública a partir de janeiro de 2019. As pastas são atualmente chefiadas por Torquato Jardim e Raul Jungmann, respectivamente.

O desembargador Humberto Martins resolveu dar andamento ao processo depois que entidades, partidos e cidadãos brasileiros ajuizaram representações contra Moro no CNJ. Todas as ações civis apontam atuação política do juiz, pois aceitou o cargo de ministro ainda investido das funções de magistrado. Pesa na questão o fato de que Moro condenou e levou à prisão o ex-presidente Lula quando o petista tinha cerca de o dobro das intenções de voto de Bolsonaro na maioria das pesquisas de intenção de voto.

Humberto Martins unificou as várias representações contra o magistrado no CNJ, algumas delas formalizadas por deputados e senadores do PT. Eles alegam que Moro atuou, "mais uma vez, com parcialidade e sem a observância da legalidade" ao divulgar, no transcurso da campanha presidencial, trechos de uma delação premiada feita pelo ex-ministro Antonio Palocci, de forma a prejudicar o adversário de Bolsonaro no pleito, Fernando Haddad (PT). Um estudante de Direito e a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD).

Ainda segundo os parlamentares petistas, Moro violou o código de ética da magistratura ao desempenhar, mesmo indiretamente, atividades político-partidárias antes de deixar oficialmente a função de juiz. "Se na Itália o juiz da Operação Mãos Limpas tivesse aceitado ser ministro da Justiça do [ex-primeiro-ministro italiano Silvio] Berlusconi, iriam todos para a cadeia. Esse episódio é de uma gravidade que expõe o Poder Judiciário na sua totalidade", argumenta o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS).

"[A decisão de ser ministro] descortina o conjunto de relações subterrâneas que envolve o esquema da Lava Jato com um esquema de poder. Não é à toa que a imprensa especula que Carlos Fernando [dos Santos Lima], um dos chefes da Procuradoria-Geral da Republica em Curitiba, fará parte da equipe do Moro", acrescenta o petista.