Tam.Texto

Campanha da Fraternidade pede reforma política

 

Na quarta-feira depois do Carnaval, os católicos do mundo todo vivem a celebração das Cinzas, que marca o início da Quaresma, de um tempo de penitência e oração mais intensa. É na Quarta-feira de Cinzas, também, que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) inicia a Campanha da Fraternidade (CF).

Neste ano, o tema da CF é ‘Fraternidade: Igreja e Sociedade’, com o lema ‘Eu vim para servir’. Os grupos de reflexão também vão estudar, a partir dos roteiros propostos, o Concílio Ecumênico Vaticano II, que completa 50 anos. Um dos objetivos deste ano é aprofundar o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade, conforme o Concílio Vaticano II propunha, como serviço ao povo brasileiro.

Para o bispo da Diocese de Caçador, dom Severino Clasen, dois gestos concretos devem ser seguidos nesse período de Quaresma. “A partir da Sagrada Escritura e das orientações da Igreja particular, reunir os grupos, as comunidades para a oração, meditação, confissão e revisão da vida cristã e grande campanha de assinaturas exigindo a reforma política no Brasil. A Igreja do Brasil vem há muito tempo se esforçando, debatendo, dialogando e cobrando justiça. O povo precisa participar. Do contrário vamos para a destruição total”, afirma em carta para a abertura da CF 2015.

A proposta da CNBB é recolher 1,5 milhão de assinaturas em todo o país para exigir dos representantes legais a reforma política. Cada paróquia deve se organizar para ajudar a recolher as assinaturas. “Com isso, teremos ferramentas para acabar com as corrupções institucionalizadas em nossos municípios, estados e país.”